Odisseia

Era uma quinta-feira e eu me sentia triste e angustiado. Parei debaixo de uma mangueira, acendi meu último cigarro e comecei a refletir sobre as cagadas que eu cometi e nas cagadas que eu vinha cometendo e nas possíveis cagadas que eu ainda viria possivelmente a cometer. Então tive uma ideia.

Desci ao Reino dos Mortos, dei ao barqueiro Caronte R$ 1,25 (era tudo o que eu tinha no bolso) para que melevasse até Hades porque eu precisava muito falar com a alma do cego profeta Tirésias sobre o futoro da minha vida. Encontrei o deus dos mortos, disse que precisava falar com Tirésias, ele me mandou se sentar e aguardar um minutinho que a alma do profeta tava meio que ocupada. Deposi de bater um papo com a alma do cego e receber as devidas respostas que eu precisava, Hades prendeu Cérbero no canil e permitiu que eu voltasse á superfície. Fui até a praia, entrei num barquinho e remei até uma nau que estava ancorada há algumas milhas de distância da praia, pois precisava navegar de volta para casa. Mas eis que no caminho me perdi nas Rochas Ondulantes, fui parar em um canal e quase fui devorado por Cila e tragado por Caribdes mas consegui escapar são e salvo e antes do pôr-do-sol aportei na ilha de Hélio e como já estava anoitecendo aproveitei o pouco tempo do dia que me restava para dar farelo com sal ao pouco que sobrou do Gado do Sol. No dia seguinte de bai bai ao deus e levantei âncora mas daí percebi que havia perdido minha bússola porém a sorte não me abandonou e fui parar em outra ilha onde residia Éolo, o deus dos ventos, e expliquei a ele o problema e ele me deu um Norte então pude continuar minha jornada em águas calmas e tranquilas daí senti vontade de fazer xixi e fiz no mar e o problema é que mijei em cima das Sereias e elas disseram Ai que nojo! e me chamaram de porco nojento e acho que Posídon ficou sabendo da patifaria e ficou puto muito puto e o mar ficou bravo que dava medo e fui parar em outra ilha, pelado, sem eira nem beira aí foi que eu encontrei uma princesa chamada Nausícaa e ela me vestiu, cuidou de mim, e pude continuar meu rolê e como tava sem barco fui na caminhada mesmo. No meio do mato encontrei uma mansão em que ouvi dizer que lá morava uma mulherfeiticeira chamada Circe então Hermes apareceu assim do nada e e disse pra eu tomar cuidado porque ela a feiticeira tinha mania de transformar gente em bicho e eu disse fica sussegado que sou vacinado contra feitiço de qualquer mulher então entrei na mansão e a feiticeiramulher me atendeu e eu tava com fome e pedi um pacumê e ela me apontou o dedo pruns porquinhos que tavam com cara di dá dó e eu disse Não como carne tem verdurinha leguminho? aí ela me deu um prato de arroz feijão rúcula e alface bem temperadinho com limão e suco de maracujá que dispensei porque tô vacinado contra feitiço de mulher.Comi a beça, dei baibai dondoca e segui em frente e depois encontrei uma caverna e a caverna tava bem mais arrumada que meu quarto e pensei É aqui mesmo que eu vou tirar um cochilo então chegou o dono, um gigante de um olho só que portava uma bengala porque ele era cego como uma toupeira e o olho dele era de vidro e perguntou com uma voz de trovão Quem ta aí? e eu respondi Alguém! aí ele pediu o favor de pegar um vinho e enquanto eu levava o vinho pra ele perguntei seu nome e ele me disse que se chamava Polifemo e Polifemo me ofereceu um copo de vinho e eu disse Não muito obrigad, tem água? Tem, lá na cozinha e bebemos e conversamos e ele me contou que Ninguém o havia cegado com uma lança e eu disse Ô dó! e como já tava ficando tarde dei falôaí seu Polifemo e prossegui na minha caminhada pela ilha. Não muito lonje dali ouvi um putzputzputz e vozes e risadas e luzes piscando daí arei atrás de uma moita e e fiquei só vendo a balbúrdia e era uma rave com uma galera dançando e tinha um pórtico de entrada e umas bandeira com uma flor de lótus e embaixo os dizeres The Lotófagos Dance party e disse comigo mesmo Só por hoje não como flor de lótus porque nao tava a fim de me esquecer do meu objetivo. Continuei a caminhada e mais adiante me deparei com uma cerca e segui a cerca e parei em uma prteira com uma plaquinha que dizia Rancho do Eumeu. Abri a porteira, subi um caminho até uma choupana e me aproximei da porta da cabaninha e bati uma, bati duas, na terceira vez ouvi alguém lá de dentro perguntar Quem é? e eu respondi Um mendigomundrungo e quando a porta se abriu apareceu um velinho simpático que disse É você de novo Ulisses? Como você mudou! e eu aproveitei a deixa pra responder que sim, sou eu e que tava precisando de um barco pra voltar pra casa e se tinha algum pra me emprestar. Então ele disse sim, tá na mão e depois de um bom tempo navegando finalmente cheguei a Ítaca. Desci no porto de Fórcis, encontrei alguns camaradas, dei um e-aí-beleza e quando chego em casa encontro Antino e Eurímaco em frente da porta minha casa, por trás de uma barraquinha em que estavam vendendo meus pertences! então eu, com muita prudência e serenidade falei O que está acontecendo aqui? e Antino respondeu Estamos vendendo os pertences do dono da casa. Ele morreu faz um tempão e sua mulher ou namorada vai ficar com um de nós! Fiquei pasmo com a notícia. Quando pensei em abrir a boca pra falar umas asneiras Penélope saíu pela porta, desceu as escadas, deu a volta pela barraquinha, parou em frente a ela, Antino de um lado, Eur´maco de outro, me olhou de cima a baixo, depois virou para os dois e disse assim Acho que meu marido morreu e não volta mais pra casa. Só me caso com um de vocês com uma condição: vou propor um melhor de três no ping-pong, quem ganhar fica comigo. Os dois aceitaram e eu intervi dizendo Eu também topo o desafio! Mas Antimno retrucou dizendo Você!? Um mendigomundrungo? Jamais! ao que Penélope respondeu Eu permito! Sempre fui mulher solidária e não é hoje que vou ser diferente. Você mendigo, tá dentro do desafio! E Antino e Eurímaco ficaram putosderaiva mas a última palavra é da rainha e assim foi feito. Antino venceu de 2×1 de Eurímaco e depois foi a minha vez e dei um pau, venci de 3×0 fácilfácil não deu nem pro cheiro chéééé! Antino ficou dez vezes dez mil vezes zangado, jogou um banquinho em mim, mas acabou errando e foi embora de cabeça baixa resmungando e gesticulando e se juntou ao seu amigo Eurímaco e sumiram de vista. Então me aproximei de Penélope, e disse assim Sou eu, seu marido e rei. Ela não acreditou dizendo Se é mesmo meu marido e rei, diga-me qual o único segredo que há entre nós e eu disse Um dos pés da nossa cama é feito de um tronco de oliveira e jamais poderá ser removida. Ao que Penélope respondeu com estas palavras aladas Meu herói! mas antes de me abraçar e de me baijar disse Vá escovar esses dentes e tomar um banho que você tá fedendo!

Toda busca por si mesmo é sempre uma Odisséia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s